FINEP cria estímulo para projetos inovadores


A FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos) acaba de lançar sua política operacional para o período 2012-2014, que visa contribuir para alavancar a inovação da indústria brasileira, buscando eleger projetos que contribuam para os objetivos traçados nos programas do governo federal. O apoio se dará por meio do fomento público à ciência, tecnologia e inovação em empresas, universidades, institutos tecnológicos e outras instituições públicas ou privadas, sempre visando promover o desenvolvimento econômico e tecnológico nacional.

Os projetos que receberão apoio da FINEP deverão estar enquadrados nos programas do governo federal, especialmente Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (ENCTI); Brasil Sem Miséria; Programa de Aceleração do Crescimento; Plano Brasil Maior; Plano Nacional de Defesa; Plano de Desenvolvimento da Agropecuária; e as atividades de inovação compreendidas nas políticas ministeriais; nas Linhas de Ação e Programas da Política Operacional da FINEP.

Ganham ênfase da FINEP os projetos que priorizarem os princípios do Desenvolvimento Sustentável, em suas três vertentes: desenvolvimento econômico, equidade social e proteção ambiental. Com bases nessas diretrizes, foram definidas as seguintes áreas prioritárias para a atuação da financiadora: Tecnologias da Informação e Comunicação; Defesa e Aeroespacial; Petróleo e Gás; Energias Renováveis; Complexo da Saúde; e Desenvolvimento Social e Tecnologias Assistivas. Foram estabelecidas também três linhas de ação na nova política operacional: Inovação Pioneira; Inovação Contínua e Inovação e Competitividade. As taxas cobradas e a participação da FINEP dependerão da natureza das atividades apoiadas, do enquadramento na linha de ação e da disponibilidade de recursos.

Conta Inova Brasil

Dentro da nova política operacional, foi desenvolvida a Conta Inova Brasil, que abre um crédito para empresas que façam investimentos permanentes em inovação. Se a estratégia da empresa valorizar alguns dos requisitos citados, o financiamento poderá ter aportes anuais extras de até 35% em relação ao pedido original.

O presidente Glauco Arbix anunciou em coletiva para a imprensa que a FINEP também irá financiar em até 80% a construção de fábricas ligadas a atividades que dão continuidade à geração de novos conhecimentos (primeira unidade fabril), e que os prazos de financiamento passarão de até 10 para até 12 anos; além disso, o prazo de carência – antes de até três anos – saltou para até 54 meses.

Comentários

comentário(s)

+ There are no comments

Add yours