São Paulo entre as 20 melhores para startups


Fonte: Ticbeat

São Paulo está entre as 20 melhores cidades do mundo para criação de startups.

O estudo, chamado Startup Ecosystem Report 2012 e publicado no ano passado, foi baseado em dados coletados de mais de 50 mil usuários da Startup Compass , um produto da Startup Genome que fornece diversas informações e recomendações para ajudar empresários e executivos a tomar uma decisão e locar recursos em condições de muita incerteza.

Para quem não lembra, o fundador do Startup Compass é Bjoern Herrmann, também co-fundador do Startup Genome.

Na lista estão:

  1. Vale do Silício
  2. Tel Aviv
  3. Los angeles
  4. Seatle
  5. Nova Iorque
  6. Boston
  7. Londres
  8. Toronto
  9. Vancouver
  10. Chicago
  11. Paris
  12. Sidney
  13. São Paulo
  14. Moscou
  15. Berlim
  16. Waterloo
  17. Singapura
  18. Melbourne
  19. Bangalore
  20. Santiago

O estudo foi baseado em uma análise de oito índices cruciais para dicernir o potencial ou não de uma determinada cidade para um refúgio para startups:

– Índice de produtividade: a área total de atividade do ecossistema empreendedor em contraste com o tamanho da população e a maturidade das startups;

– Índice de financiamento: grau de atividade de capital de risco existente;

– Índice de rendimento: o desempenho total e parcial de startups que compõem o ecossistema da região;

– Índice de atitude: grau em que os fundadores são visionários, se são ou não resistente às condições existentes na sua região e sua capacidade ou ambição;

– Índice de diferenciação: forma como estes ecossistemas diferem em relação ao Vale do Silício, tipo de perfil demográfico e número e tipologia das startups lançadas;

– Índice de modernismo: facilidade ou não na adoção de novos processos de gestão, novos modelos de negócio, novos modelos de negócio e novas tecnologias;

– Índice de apoio: existência de redes de apoio, mentores, provedores de serviços e fontes de financiamento;

– Índice de talento: idade, formação, experiência em projetos empresariais de risco;

Nas palavras de Bjoern Lasse Herrmann, CEO da Startup Genome: “Criamos este relatório por três razões: em primeiro lugar, para salientar os maiores destaques em iniciativas empresariais tecnológicas que estão sendo serão responsáveis por uma grande troca socioeconômica a nível mundial. Em segundo lugar, para democratizar ainda mais o conhecimento necessário para ajudar a difundir os benefícios do Vale do Silício. E, em terceiro, para fornecer informações úteis e incorporáveis ??para os empreendedores, potenciais investidores e departamentos de desenvolvimento de negócios de empresas à procura de novos mercados. ”

O estudo também teve a ajuda de pesquisadores das universidades Stanford e Berkeley.

Comentários

comentário(s)

+ There are no comments

Add yours