Begin typing your search above and press return to search. Press Esc to cancel.

Carreiras: Vamos Conversar a Respeito?


Crescer profissionalmente é uma preocupação sua? E pensar sobre carreiras, você sabe como fazer isso? Qual é a sua parcela de responsabilidade sobre seu crescimento e qual é a da empresa?

Se você já se pegou pensando sobre isso, você não está sozinho. Diversos profissionais e empresas se debatem sobre essas questões. Há 10 ou 20 anos, talvez fosse mais fácil respondê-las, mas agora é preciso ajustar o foco da lente porque a carreira já não é mais como era antigamente.

Carreiras: estamos em transição

Antes era tudo muito simples de entender: o pensamento era linear, você escolhia uma profissão que seguiria pela vida inteira e a empresa tomava conta da sua carreira e te dizia o que fazer. Nessa época, a expectativa de vida era menor e a carreira também, enquanto que uma mesma habilidade era útil por muitos anos.

Estava tudo jóia até que as regras do jogo começaram a mudar. Veio globalização, veio competitividade, veio revolução digital. Começa a chegar um pensamento não linear, sistêmico, distribuído.

As empresas deixaram de ter condições de prometer estabilidade e de poder garantir que se você fizer X, em tanto tempo, você será promovido – até lá tudo pode mudar. Além disso as carreiras passaram a se estender por cerca de 60 anos, a meia-vida de uma habilidade diminuiu para míseros 5 anos e as pessoas querem muito mais de seus trabalhos além de estabilidade e um salário no final do mês, conforme pesquisa Carreira dos Sonhos, da Cia de Talentos.

Acontece que estamos num período de transição em que coexistem essas diferentes linhas de raciocínio. Ora é um profissional com carreira não linear que trabalha numa empresa com modelos tradicionais, ora é alguém que anseia por um plano de carreira trabalhando numa empresa dinâmica com modelos mais fluidos.

A verdade é que está confuso mesmo. Os profissionais querem mais de suas carreiras, mas muitas vezes não sabem bem o que nem como. Muitas empresas, sem conseguir se comprometer com plano de carreira, acabam não definindo nada e deixando a galera no escuro. Ou seja, as mudanças estão postas, mas o mindset segue o mesmo.

Então, qual é o caminho?

1. Reflita mais sobre a sua carreira

A sua carreira é só sua e você terá que pensar sobre ela constantemente. O planejamento de carreira é um eterno rascunho. Você muda, o mercado muda, a sua empresa muda, as necessidades do mundo mudam. O que você planejou ano passado pode não te servir mais. Estudos recentes em carreira defendem que os profissionais desenvolvam adaptabilidade de carreira, que é um conjunto de competências para dar conta das transições profissionais e das transformações do mercado. Isso envolve:

  • Preocupar-se com o futuro profissional
  • Sentir-se responsável pela construção da carreira e pelas consequências de suas escolhas
  • Curiosidade para descobrir novas possibilidades
  • Confiança de que, se empregar os esforços necessários, atingirá o objetivo.

PS: O último item tem a ver também com Growth Mindset, ou mentalidade de crescimento, conceito abordado pela pesquisadora Carol Dweck, que entende que podemos aumentar a capacidade do nosso cérebro aprender e resolver problemas. Já viu o TEDx da Carol?

2.Entenda o cenário

Estude o contexto em que está inserido e entenda quais são os critérios para crescer no local em que você está. Busque informações sobre conhecimentos técnicos e competências que você precisa desenvolver para chegar onde deseja. Conheça os processos de crescimento da sua empresa. Mas não pare por aí: observe também quais comportamentos estão alinhados com a cultura da empresa e tenha clareza sobre as expectativas do seu líder.

A empresa deve fazer a sua parte e fornecer bons feedbacks, disponibilizar job descriptions, praticar seleção interna, comunicar seus valores, etc. Mas se, mesmo assim, as regras não estiverem claras para você: pergunte, oras 🙂

E aí entramos no terceiro ponto.

3.Converse sobre carreira na empresa

Cada vez menos os planos de carreiras irão dar conta da multipotencialidade do ser humano e das transformações do mercado. Nesse contexto, no qual a mudança é a única constante, o diálogo é fundamental.

Desista da ideia de uma fórmula, de uma sequência previsível, de uma garantia de promoção. Desconstrua a expectativa de que os critérios serão 100% objetivos. Eles não são – mesmo quando estão fantasiados de números e indicadores. No frigir dos ovos, sempre há um olhar humano e subjetivo por trás do critério, da meta, da decisão.

O caminho é criar espaço pro diálogo aberto, pra conversa franca, pro feedback de qualidade. Compartilhe com seu gestor as suas aspirações, peça orientações, busque essa mentoria.

À empresa cabe criar um ambiente de confiança, viabilizar esses espaços, oportunizar o diálogo, dar ferramentas, instituir o feedback, capacitar os gestores para essas conversas, permitir a mobilidade entre áreas, criar programas que contemplem esse novo modelo de carreira e incentivar a co-criação de carreiras.

Webinar Planejamento (ágil) de Carreira: você como seu maior e melhor projeto

Tudo que envolve o Planejamento de Carreira e Sucesso Profissional



 

Então, qual é o papel da empresa? É criar uma cultura de evolução e confiança, fornecer as ferramentas e cultivar uma relação ganha-ganha.
E o seu papel é usar essas ferramentas para criar a sua carreira de forma autoral e realizadora, buscando seu desenvolvimento constante e protagonizando seu processo de crescimento.

Gostou do conteúdo acima? Deixe um comentário 🙂 Fique ligado para mais conversas sobre carreiras aqui no Blog da KingHost.

Caren Cazorla
Últimos posts por Caren Cazorla (exibir todos)
Resumo
Vamos conversar sobre carreiras?
Nome do Artigo
Vamos conversar sobre carreiras?
Descrição
Convidamos para reflexões a respeito das carreiras atuais e de como as empresas estão se posicionando e lidando com o assunto.
Autor
Nome
KingHost
Logo

Comentários

comentário(s)