Dia das Mães: o que o Marketing pode Aprender com a Maternidade?


Sejam de sangue ou de coração, os filhos nos modificam. Nos transformam como seres humanos, despertam um novo mundo e modificam a nossa forma de enxergar e priorizar as coisas.

Algumas mães começam a nascer – ou renascer – na gestação, outras na escolha. É quando dois corações se encontram e escolhem criar uma relação de amor e confiança. E sem esquecer, é claro, dos pais que são mães e pais. Das avós, das tias, das madrastas e de todo mundo que é mãe para alguém.

Não é um trabalho fácil.

Maternidade é sobre comportamento, escolhas e renúncias. Sobre entender o comportamentos dos filhos – e também os próprios sentimentos – , sobre escolher diariamente as suas prioridades e no que concentrar a sua energia e sobre fazer renúncias. E traz lições para a vida e para o trabalho.

É pensando nisso que hoje vou trazer 5 situações em que a maternidade e tem tudo a ver com o marketing. Seja para você que é mãe e está pensando em trabalhar com marketing, para você que é profissional de marketing e pensa em ter filhos ou para você que quer simplesmente fazer essa reflexão.

1 – Análise constante

Faz parte da rotina de qualquer mãe analisar as situações. Seja a saúde do filho ou a própria, a rotina, as dinâmicas da maternidade, a relação com os coleguinhas, as finanças. Enfim, são muitas as situações que precisam de atenção constantemente. E analisar o que está acontecendo a todo momento acaba virando parte da rotina. A ponto de nem notarmos mais que estamos fazendo esse movimento.

No marketing deveria ser a mesma coisa. Precisamos analisar cada ação que está sendo feita, confrontá-la com o nosso objetivo e colocar sempre em relação onde estamos e onde queremos chegar. Análise deve ser rotina em cada ação que desempenhamos nas nossas equipes de marketing. E se aprendêssemos com a maternidade a estarmos sempre com esse olhar analítico?

Quer entender mais sobre análise de dados? Confira em “Como usar Google Analytics: passo a passo para iniciantes“.

2 – Otimizações e ajustes

Quem analisa sempre encontra pontos de ajustes e melhoria. Já parou para pensar nisso? Desde a adaptação da criança com a comida ou com algum produto de higiene até a própria adaptação da mãe em estar com a criança.

E quando percebemos que talvez essa não seja a melhor forma de explicar ao filho alguma coisa? É preciso ajustar, explicar de outra maneira, se fazer entender.

Nem precisamos falar que o marketing vive de ajustes e otimizações. Analisando as nossas ações percebemos que não estamos tomando as decisões mais acertadas. E aí precisamos rever a nossa estratégia e a forma como a executamos. A única coisa que diferente nessas duas realidades é do objeto das nossas estratégias. Principalmente porque educar envolve estratégia, não é mesmo? O que também nos leva ao próximo ponto.

3 – Consistência e constância

“Para educar é preciso constância”. Minha mãe sempre disse isso e ela estava certa, eu só modificaria a frase e diria que para tudo na vida é preciso constância.

A educação só acontece à medida em que a criança vai descobrindo o mundo – e tem coisa mais bonita de se ver? No marketing é a mesma coisa. É preciso criar uma estratégia constante para atingir os resultados.

De nada adianta mudar de ideia a cada semana e modificar seus objetivos ou sua estratégia. Você nunca verá resultados porque cada vez que alguma coisa começa a ser assimilada e dar certo, você muda. É preciso ter perseverança e não desistir.

Além disso, é preciso ser consistente. Será que seu filho vai entender o que é certo ou errado fazer se cada dia você disser uma coisa? No marketing funciona da mesma forma. Por isso, é muito importante você fazer um planejamento bem estruturado, com bases no seu negócio e na sua visão de futuro. Isso vai garantir que você crie estratégias com real embasamento que irão permitir consistência. E, mesmo que seja necessário realizar alguns ajustes no caminho, a essência irá se manter.

4 – Priorização

Esse é um dos grandes problemas tanto da maternidade quanto do marketing.

Alguma vez na vida você já sentiu aquela angústia por achar que não vai conseguir fazer tudo o que precisa? Se você respondeu que não, você é privilegiado. É muito difícil encontrar alguma mãe que não pense que não poderia fazer dar mais pelo seu filho: mais atenção, mais carinho, mais companhia, mais educação.

Para a grande maioria das mulheres, um dos grandes desafios da maternidade tem a ver com priorização.

E qualquer semelhança com o trabalho no marketing não é mera coincidência. Como seres humanos muitas vezes temos essa dificuldade, achamos que sempre podemos fazer mais e nunca estamos satisfeitos. E aquela ação de marketing que pensamos?, E aquela reformulação das peças?, E aquele ajuste na segmentação?, “Poxa, esqueci aquele post tão importante!”.

Quantas vezes ouvimos frases como essas dentro das nossas agências ou departamentos de marketing? E isso não é privilégio dos nossos setores, certamente todos são afetados por pensamentos desse tipo.

Mas o importante é saber lidar com esse sentimento – e por isso a terapia é tão importante. Tanto no marketing quanto na maternidade é preciso entender os nossos limites, aceitá-los e mapear aquilo que precisamos e queremos fazer e elencar prioridades. É um processo complicado e constante, mas que faz com que tudo se torne mais prazeroso e tranquilo.

Leia também: Produtividade no trabalho: 6 hábitos e práticas para o dia a dia

5 – Esperar o momento certo

Quem analisa encontra pontos de melhoria, mas tão importante quanto encontrá-los é saber esperar o tempo certo para as coisas. Mães muitas vezes percebem que não é o momento certo de corrigir o seu filho.

Seja porque tem coisas na vida que é preciso experimentar, seja porque as crianças ou adolescentes não estão no seu melhor momento. E quem está bem o tempo inteiro? Como seres humanos, até mesmo os bebês nem sempre estão bem.

Está tudo bem não estar sempre bem. É preciso ler esse momento e entender a hora certa de corrigir e de explicar as coisas.

Você já tentou veicular uma campanha de marketing sobre dia das mães no Natal? Não vai funcionar.

É preciso esperar a maturidade do negócio, da equipe de marketing e, principalmente, do nosso cliente. Se você não esperar o momento certo, provavelmente não vai alcançar o sucesso que busca.

Precisando de um help no planejamento anual? Tenha um Calendário Editorial para suas estratégias com redes Sociais. É gratuito!

Por fim, eu ainda diria que marketing e maternidade são iguais no prazer.

O prazer de ver os filhos e os clientes descobrindo um mundo novo. Prazer de ver que aquilo que investimos tanto tempo foi assimilado. E, principalmente, prazer em ver os efeitos do nosso trabalho. Feliz Dia das Mães àquelas e àqueles que, seja como for, dedicam o seu tempo e a sua vida a alguém.

Amanda Gonçalves

Amanda Gonçalves

Analista de Performance em KingHost
Bacharela em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda pela URFGS, fascinada por empreendedorismo, marketing digital, inovação e tecnologia. Adora descobrir novas coisas e é viciada em séries.
Amanda Gonçalves

Comentários

comentário(s)

Categories