Google Lighthouse: tire suas dúvidas sobre essa ferramenta


Você já usou, ou pelo menos sabe o que é o Google Lighthouse? Se quiser saber mais sobre essa ferramenta de verificação, este é o artigo certo.

Afinal, a KingHost, especialista em hospedagem de site, produziu este conteúdo para explicar tudo sobre ela.

A partir de agora, você vai saber quais são as funções do Google Lighthouse, como usá-lo e as formas de verificar a URL com o auxílio dessa ferramenta.

Boa leitura!

O que é o Google Lighthouse?

O Google Lighthouse é uma ferramenta automatizada, que aprimora o desempenho dos aplicativos web. É interessante ressaltar que ele pode ser executado por meio de uma linha de comando, com o NodeJS, ou como uma extensão do Chrome.

Desse modo, é possível fazer simulações de diversas situações que tenham o potencial de afetar a experiência dos usuários. Logo, ao final dos testes do Google Lighthouse, a ferramenta gera um relatório de desempenho automático.

Com esse relatório, você tem a chance de observar os resultados e perceber o que precisa de aprimoramento no site. 

Por essa razão, podemos considerar a ferramenta como aliada no momento de verificar o funcionamento da página e seus resultados, bem como para melhorá-la. 

No próximo tópico, vamos comentar sobre as funções do Google Lighthouse. Por isso, continue a leitura.

Conheça as funções do Google Lighthouse

Além dos vários testes que o Google Lighthouse realiza, existe um número superior a 75 métricas testadas pela ferramenta. Sendo assim, vamos apresentar algumas para você.

  • SEO: o Lighthouse analisa o rastreamento, meta, mobile friendly e muitos outros;
  • Acessibilidade: ele observa questões como idioma, elementos da página, atributos ARIA e mais;
  • Desempenho: a ferramenta observa o tempo de intervalo, otimização de recursos, tamanho do DOM, índices de velocidade, entre outros;
  • PWA  (Progressive Web Application): ele verifica o código de resposta “ok”, redireciona HTTP para HTTPS, analisa carregamento rápido em 3G e outras;
  • Boas práticas: o Lighthouse faz registro de erros do navegador, otimiza imagens, verifica vulnerabilidades conhecidas do JS, entre outros.

Como é possível perceber, são várias as funções dessa ferramenta. A seguir, descubra como ela faz o teste de desempenho.

Afinal, como é o teste de desempenho?

As funções apresentadas acima representam o desempenho geral de uma página na internet. Com isso, no relatório final, deve haver uma pontuação que represente os principais aspectos que necessitam de melhorias.

Normalmente, o Google Lighthouse usa métricas que afetam a pontuação de desempenho da página, mas não para o diagnóstico e resultados de oportunidades. Assim, é importante saber que, ao aprimorar esses fatores, é possível que os valores das métricas aumentem.

Vale comentar que a pontuação de desempenho representa a média ponderada das métricas. Assim, as de maior peso influenciam para a pontuação geral.

Além disso, é importante destacar que essas pontuações não constam no relatório, mesmo que sejam calculadas internamente. Por ser um ferramenta capaz de fazer pesquisas com os usuários de forma constante, os valores dos resultados costumam mudar com frequência.

Como usar o Google Lighthouse? 

Como você já viu, há duas formas de executar o Google Lighthouse: como extensão do Chrome e por linha de comando. 

De antemão, informamos que a extensão do Chrome tem interface amigável e facilita a leitura de relatórios. Por outro lado, a linha de comando possibilita a integração da ferramenta com sistemas de integração contínua.

Veja, a seguir, como usar o Google Lighthouse das 2 maneiras:

Google Lighthouse como extensão do Chrome

Para usar o Lighthouse como extensão do Chrome, você precisa baixar e instalar a versão 52 do navegador ou posterior. Depois disso, acesse a página que deseja analisar e clique no ícone do Lighthouse na barra de ferramentas.

Quando aparecer um menu, clique em “options”, determine os testes que serão realizados e clique em “generate report“. Ao final das análises, a ferramenta abrirá uma nova aba, na qual você poderá conferir o relatório.

Google Lighthouse como linha de comando

Se você quiser fazer os testes da página usando o Lighthouse como linha de comando, faça o seguinte: 

  • Instale o Node em sua versão 5 ou posterior;
  • Em seguida, instale a ferramenta do Google como módulo global: npm install -g Lighthouse
  • Para executá-lo, insira Lighthouse https://Google.com.br.
  • Caso precise de ajuda, basta digitar Lighthouse –help

Vale lembrar que esse é um software de código aberto, na versão Beta. Assim, é possível fazer alterações e resolver problemas no rastreador.

No próximo tópico, veja como analisar uma URL com essa ferramenta do Google.

Descubra como analisar uma URL com o Lighthouse

Anteriormente, comentamos sobre duas formas de usar o Google Lighthouse, mas existem 4 formas de verificar uma URL, utilizando essa ferramenta.

Dessa forma, além de usá-la como extensão do Chrome e como linha de comando, é possível executá-la pelo site web.dev/measure/.

Para isso, acesse o endereço acima e cole a URL que deseja analisar. Depois de alguns minutos, ele irá gerar os relatórios com a pontuação geral.

Além disso, você pode verificar uma URL com o Lighthouse por meio de uma ferramenta para desenvolvedores chamada Chrome DevTools.

Assim, basta acessar a URL que deseja analisar, selecionar a opção DevTools e definir o tipo de dispositivo para a verificação.

Em seguida, selecione “performance” em “categorias” e clique em “gerar relatórios”.Alguns segundos depois, você terá acesso aos relatórios.

Agora ficou simples realizar testes em páginas na web

Agora que você já sabe como fazer testes em páginas web, fica mais fácil fazer as verificações com o apoio do Google Lighthouse. Outra forma de facilitar seu dia a dia na internet é contar com as soluções que a KingHost.

Isso porque oferecemos hospedagem de sites, e-mail profissional, hospedagem Node, servidor VPS e muitas outras facilidades. Por isso, acesse nosso site e se informe sobre os nossos serviços. 

E se gostou deste artigo, continue acompanhando o Blog da KingHost.

Redação KingHost

Comentários

comentário(s)